10/04/16 ● A espera chegou ao fim! Estamos disponibilizando a tradução do penúltimo capítulo de TALES OF MONKEY ISLAND!

10/03/16 ● Estamos disponibilizando a tradução de dois jogos da série TEX MURPHY: THE PANDORA DIRECTIVE e TESLA EFFECT. Cuidado por onde anda!

19/01/16 ● Agora é possível jogar LIFE IS STRANGE com legendas em português! Jogo considerado um dos melhores de 2015 :)

29/11/15 ● Jogue agora o LUCASARTS ADVENTURE PACK do Steam em português! Se ainda não tem, compre agora por apenas R$ 4,99!

08/11/15 ● Já jogou ALL THE WAY DOWN? Em meio a uma forte nevasca, ajude um homem perdido em um obscuro vilarejo a encontrar abrigo.

Dezembro 13, 2017, 12:04:51 *
Bem-vindo, Visitante. Por favor faça o Login ou Registro.

Login com nome de usuário, senha e duração da sessão
Notícias: Projetos de criação de adventures nacionais você encontra no blog do grupo AdventureArts! Acesse agora e comente aqui!
 

   Home   Ajuda Pesquisa Login Registrar  

Páginas: [1]
  Imprimir  
Autor Tópico: King's Quest 6 GUIA BETA  (Lida 5173 vezes)
Setembro 20, 2010, 10:27:08
djsouza
ADM
Adventureiro
*****
Mensagens: 52



« : Setembro 20, 2010, 10:27:08 »

Quem quiser acompanhar o andamento da tradução do Guia para King's Quest 6 é só conferir abaixo. Aceito sugestões de idéias e revisões do que estiver por ventura errado.

Valeu pessoal!

===================================
TRADUZIDO POR DIEGO DJ SOUZA

Guia de Viagem para a Terra das Ilhas Verdes

Prelúdio

Neste documento jaz o registro de minhas viagens por todo o misterioso reino conhecido como a Terra das Ilhas Verdes. Para que este livro não seja taxado apenas como fruto dos devaneios febris de um lunático ou como o conto fictício de um notório mentiroso, deixe-me assegurá-lo, Caro Leitor, que a Terra das Ilhas Verdes de fato existe. O nome dessa Terra pode ser ouvido tanto nas conversas de estalagens à beira de estrada quanto no alto das colinas de Daventry e até o mar de Tamir – especialmente nas noites em que o vento uiva e a chuva assola violentamente as vidraças das janelas. Os contadores de histórias inevitavelmente se valem do mesmo tom de voz quando falam a respeito do Reino das Fadas. Confesso que não posso atestar pela veracidade do Reino das Fadas uma vez que nem ao menos um duende eu fui capaz de conhecer em minhas andanças, todavia, quando o assunto é a Terra das Ilhas Verdes.... Ah!... esse sim é um lugar onde um homem pode encontrar um chão sólido sob seus pés e refestelar seus olhos com tamanhas maravilhas!
   Minha história começa com uma bússola partida. Eu havia embarcado em um navio com rumo a leste de Llewdor. Nosso destino era Serênia, porém na segunda semana de nossa partida nos deparamos com um violentíssimo temporal. As ondas açoitavam o convés de

PÁGINA 2

nosso pequeno navio, o Akyeakolá, e os relâmpagos atingiam o mar à toda nossa volta. Em dado momento, até mesmo nosso mastro secundário foi assolado por um dos raios e nós apenas fomos salvos das chamas da morte em razão da chuva fustigante que rapidamente apagara o fogo. Tínhamos a certeza de que seríamos homens mortos em pouco tempo, contudo lutávamos com afinco para sobreviver-mos até o fim da noite. Após longas horas de esforços aterrorizantes, encontramo-nos à deriva do outro lado da tempestade. Sob a luz da aurora, os danos incrivelmente pareciam mínimos apesar do relâmpago que atingira o navio, mas não tardou até o pôr-do-sol do mesmo dia para que o Capitão fosse forçado a anunciar que os instrumentos de navegação haviam sido magnetizados pelo temporal – a bússola mostrava leste, porém o sol se pôs à direita de nossa proa.
   O Capitão fez o melhor que podia para prosseguir mediante o uso de velhos métodos de navegação, com o auxílio do sol e das estrelas. Ele assegurou aos viajantes que não havia nada a se temer. Ainda assim, sentíamo-nos amaldiçoados, pois um denso acúmulo de nuvens cobria os céus muito além do horizonte – e lá ele permaneceu.

PÁGINA 3
O Akyeakolá singrou os mares como um homem cego a tatear em um aposento que não lhe fosse familiar.
Depois de uma semana, o Capitão não teve escolha senão admitir que havíamos nos perdido de nosso destino. Não havia terra à vista para qualquer lado que fosse. Era como se a tempestade houvesse causado uma nova grande enchente capaz de apagar toda a civilização da face da Terra. Com nada mais a ser feito, prosseguíamos adiante, agora tão perdidos que dar meia-volta parecia um esforço fútil. O que poderia nos garantir que nossa embarcação já não tivesse sido virada ao contrário há muito tempo?
   Um mês depois, enquanto eu padecia deitado em minha cama perdido no meio de um sono intermitente – com a garganta seca e totalmente varado de fome graças à escassez das provisões que ainda eram distribuídas do nosso quase vazio porão de cargas – subitamente eu ouvi um grito no deque superior: “Terra à Vista!” Ainda alarmado pelo sono interrompido e extasiado de esperança, pulei da cama de sobressalto e galguei a distância que me separava do convés. O céu havia clareado de forma a demonstrar uma tonalidade de azul que eu jamais havia visto até então. No meio de tudo isso, um marinheiro apontava desenfreadamente para além da proa, onde os reluzentes campos verdes de uma pequena porção de terra eram tenuemente visíveis. O Akyeakolá

PÁGINA 4

pareceu responder à altura de tal visão, quase que praticamente saltando do mar em direção às margens remotas.
   Porém, em menos de uma hora, a maldição que ainda assolava nosso navio resolveu desferir o seu golpe final. Como que enraivecido por ver uma última rota de fuga para nossa malfadada tripulação, o mar repentinamente retornou à vida e serpeou ao nosso redor. Correntes e redemoinhos se materializaram e engoliram as tábuas batidas do navio – virando-o completamente primeiro uma vez e depois mais outra! Fui atirado contra o convés e rolei incontrolavelmente de encontro aos cabos dos botes salva-vidas. A última coisa da qual me recordo antes de bater com a cabeça e apagar de vez foi ouvir um marujo gritando: “Ele vai afundar!”
   Quem pode entender as incongruências do destino? Eu não sou um herói, sou apenas um errante – nem tão forte muito menos tão bravo quanto o próprio Capitão daquele fiel navio. Todavia, sem ao menos um esforço mínimo de minha parte – não maior do que a minha própria aptidão em ser nocauteado na cabeça – eu acordei na manhã seguinte, não entre os destroços no fundo do oceano, mas em uma praia. Da tripulação e passageiros da fiel embarcação, não havia traço algum.
   Talvez eu tivesse sido escolhido por algum motivo muito além de minha compreensão. Talvez o mar tenha simplesmente me considerado um lobo-do-mar

PÁGINA 5

azedo demais para engolir. Seja qual fosse o caso, essa é a história de como eu me encontrei na Terra das Ilhas Verdes – ou deveria dizer, de como ela me encontrou. Sendo nada além de um pobre viajante com comichão nos pés e um espírito que não conseguia descansar, eu não tinha nada naquele momento para deixar a esse mundo além de um registro das coisas que meus olhos haviam presenciado. Ciente de que não possuo nem metade da astúcia de um trovador frente à palavra escrita, eu humildemente redijo estes textos em prosa cotidiana.
   Que esse relato algum dia encontre seu caminho de volta à terra de minha juventude, muito embora eu tema que meu futuro seja morrer junto a estas margens distantes.

   Derek Karlavaegen

PÁGINA 6

PARTE I
A TERRA DAS ILHAS VERDES

A Terra das Ilhas Verdes é um antigo reino dominado por uma família real conhecida simplesmente como “A Coroa”. Sua localização tão afastada do resto de todo o mundo conhecido pelo homem, combinado com os perigos dos mares que a cercam, efetivamente a isolaram da influência de outras terras. É como se esse pequeno reino existisse não apenas no outro lado de um mar inóspito, mas sim em uma estrela distante em algum ponto dos longínquos confins do universo.

Por causa desse isolamento, os cidadãos do reino possuem uma cultura única e são dotados de uma pitoresca ingenuidade. Se alguém perguntar sobre a história das Ilhas, eles certamente conversarão com avidez. Porém não se obterá fatos muito concretos quanto à origem das coisas. Explico: apesar de saberem recitar os nomes de todos os membros das famílias reais por um período de até centenas de anos, ou mesmo de apontar com precisão a linhagem passada de praticamente cada habitante da cidade, quando eu perguntei como o reino tinha começado, perplexa é a resposta: “O reino sempre existiu,” dizem eles, “Sempre houve uma família real no poder.” É como se esse lugar existisse, inalterado, desde o início dos tempos.

Porém há vários argumentos que permitem desenhar um cenário diferente: o de que essas ilhas na verdade sediaram uma sucessão de governos, cada um levando diretamente ao próximo,

PÁGINA 7
cada civilização se erguendo sobre as ruínas ainda recentes da anterior. Eu baseio essa opinião nos vestígios e lendas de uma antiga civilização encontrada em uma das ilhas – mas em breve retornarei a esse assunto.

O reino como o conhecemos hoje tem permanecido relativamente inalterado por centenas de anos. Quatro ilhas compõem o núcleo dessa Terra. A Ilha da Coroa é o centro do reinado. Lá, no alto de uma magnífica colina, jaz o Castelo da Realeza, berço da família real e coração de toda a Terra. Um vilarejo e um porto constituem o restante da ilha e comportam a maior parte do comércio diário do reino, o pouco que há dele.

Atravessando uma pequena distância marítima está a Ilha da Surpresa, nome mais do que apropriado para um lugar em que impera o encanto e a fascinação sob o domínio de um par de rainhas rivais que são, apesar de sua própria rixa pessoal, irremediavelmente leais à Coroa.

A Ilha da Fera é a menos hospitaleira das ilhas. Aparentemente deserta, eu não pude ver muitos detalhes do local visto que os obstáculos tornaram impossível de se viajar longas distâncias terra adentro. Seja como for, o lugar tem sua própria história e é considerada como sendo pertencente ao reino.

PÁGINA 8
A quarta é a Ilha da Montanha Sagrada, assim conhecida em razão do altíssimo pico que se eleva a partir de sua base até acima das nuvens, e ao redor do qual a sua comunidade – tanto literalmente quanto filosoficamente – é construída. A Ilha da Montanha Sagrada possui os seus próprios governantes que também são subordinados à Coroa.
Uma gama de culturas tão dissonante como essa encontrada nas quatro ilhas parece muito mais fruto de puro devaneio do que realidade, porém ao que tudo indica elas de fato existem em perfeita harmonia de forma a completarem-se umas às outras. E o fator crucial sustentador de tal união é a Coroa, que

PÁGINA 9
mantém a lealdade tanto através da incontestável liderança legada a todos os herdeiros do trono quanto da manifesta generosidade da respeitável família real.
A paz tem reinado por séculos a fio neste idílico reinado e tudo indica que assim irá permanecer. Isso é, contanto que a Terra continue escondida dos males que sabemos vivem a assolar o nosso mundo. Embora eu seja um forasteiro por estas bandas, espero não exercer uma influência muito grande na realidade deste local. Quem desejaria mudar algum detalhe que fosse em um paraíso como este?

PÁGINA 10
PARTE II
A ILHA DA COROA

   De todas as quatro ilhas, a Ilha da Coroa é a única que irá aparentar mais convencional aos viajantes de longas distâncias. Ela é largamente habitada por membros da raça humana, homens e mulheres de agradável disposição e generosa hospitalidade. Como havia mencionado antes, a Ilha da Coroa é composta do Castelo da Realeza, um pitoresco vilarejo, e um porto do qual são feitas as viagens inter-ilhas.
   O VILAREJO
   O vilarejo da Ilha da Coroa é bastante pequeno. As paredes de estuque das casas cintilam sob o sol escaldante, as estradas de areia são imaculadas e bem-mantidas, sua vegetação é viçosa. Os mercadores são amistosos e demonstram clara empolgação com o comércio de artigos incomuns. Mesmo perdendo quase todas as minhas posses durante o naufrágio, as poucas tralhas que consegui resgatar das margens da praia foram consideradas raras o suficiente naquele lugar distante a ponto de eu conseguir obter alguns artigos essenciais ao meu sustento. Também descobri que os aldeões estavam prontamente dispostos a dividir o pouco que tinham em troca de trabalho honesto e esforçado, razão pela qual pude sobreviver naquela região de forma até bastante confortável.
   A vida no vilarejo era uma rotina divertida. Os habitantes acordavam cedo da manhã a fim de que pudessem concluir suas tarefas

PÁGINA 11
antes mesmo que o sol tropical atingisse o seu apogeu. E então, uma leve refeição era servida ao meio-dia. A maior parte da tarde era reservada para atividades internas: leitura e estudo para a população mais jovem e sonecas para os mais idosos. Todo mundo parece estimar esse momento de paz e quietude. Ao cair do sol, as atividades comunitárias eram mais freqüentes. Caso não houvesse nenhum casamento ou outras festividades na agenda (devo admitir que sou bastante apreciador desse tipo de celebração local), as famílias geralmente se reuniam de maneira informal para desfrutarem de um simples porém farto jantar regado a muita música e conversa.
   Apesar da maioria das famílias serem humildes, nenhuma passa necessidades. Os serviçais marcam presença na casa dos mais abastados, mas boa parte dos cidadãos só pode contar mesmo com a força de suas próprias mãos para a rotina diária de trabalho. A classe servil, por assim dizer, é geralmente bem-tratada, muito embora eu houver notado algumas exceções até mesmo nessa civilização tão benévola.

PÁGINA 12

O Porto

   Passando-se o vilarejo encontraremos o porto, um lugar de muito tumulto e agitação. Uma vez que inclusive o mais humilde dos cidadãos gosta de visitar as outras ilhas sempre que possível, temos como resultado que não é incomum ver todo o tipo de criaturas estranhas das proximidades a freqüentar as lojas do vilarejo. Todos os serviços de viagens entre as ilhas estão concentrados no porto e, especificamente, em uma única embarcação. Essa embarcação é simplesmente referida pelos habitantes como “a barca” e é um navio aconchegante e bem-mantido, agregando valor ao reino de maneira inquestionável. O barqueiro é um sujeito jubiloso, paciente até com o mais novo de seus passageiros. Seu jovem filho ajuda a cuidar do navio e o manter em perfeita ordem.
   A história da barca é deveras interessante, particularmente se você levar em conta o destino de meu próprio navio. As ilhas, ao que parece, sempre foram cercadas por terríveis redemoinhos e correntes que tornam as viagens marítimas praticamente impossíveis. A família que administra a balsa assim o tem feito por incontáveis gerações, cada pai passando para o filho os segredos necessários para sobreviver à ardilosa navegação daquela área. Muitos acreditam que

PÁGINA 13
toda a cadeia familiar do barqueiro possui um instinto natural que os protegem contra os perigos do mar que circundam as ilhas. Muito se ouve dizer que eles navegam “pelo próprio sangue que corre em suas veias”. Uma coisa é certa: eu jamais me aventuraria como capitão de qualquer navio nessas águas, de forma que sejam quais forem os segredos da família do barqueiro – agradeço às estrelas por tamanha benção!

   O Castelo da Realeza
   O Castelo da Realeza é um palácio esplendoroso, servindo de prova concreta às habilidades dos arquitetos do reino e às riquezas advindas do tesouro real. O castelo é um monumento construído em mármore, ouro e pedras preciosas, com abóbadas elevadas e belos ornamentos apropriadamente distribuídos. Disseram-me que ele foi construído cem

PÁGINA 14
anos atrás pelo Rei Alipídio como presente para sua noiva, a Rainha Astar. O castelo anterior, também chamado de Castelo da Realeza, era amplo e arejado e serviu de moradia à família por mais de três centenas de anos. Comenta-se que o Rei Alipídio era deveras cauteloso com a frágil saúde da sua esposa e procedeu à construção de um novo palácio com grossas paredes para sua proteção das fortes correntes de vento e também com agradáveis e frescos corredores para dar trégua ao calor do fulgurante sol tropical.
   A aparência do castelo fica ainda mais exótica se levarmos em conta a raça de cães de guarda que servem e protegem o palácio. Essas fantásticas criaturas parecem combinar as melhores qualidades caninas e humanas em um só pacote. Com seus roucos tons de voz que mais lembram um latido e armados de espadas e lanças, os cães de guarda denotam força e perspicácia, e vêm servindo lealmente à Coroa ao longo dos séculos.
   Apesar do meu status de forasteiro, foi-me concedida a honra de uma audiência com o rei e a rainha. Seu alto grau de franqueza e acessibilidade, somado à ausência de pontes levadiças, fossos ou muralhas de qualquer tipo, deixou bem claro para mim que a inocência deste reinado jamais havia sido maculada pelos horrores da guerra ou pela dissimulação dos mal-intencionados.

PÁGINA 15
   Se por acaso eu não passasse de um lobo em pele de cordeiro, ainda assim eu teria recebido o privilégio de uma reunião particular com a mesma presteza que agora! Sendo o cidadão de um mundo mais amplo e perigoso que sou, senti-me um tanto nervoso e compelido a garantir que tamanha confiança em meu caráter não fora em vão.
   Fui apresentado ao rei e à rainha na sala do trono real. A sala do trono é composta de um vasto átrio com mais decorações e ornamentos do que esses meus pobres e cansados olhos jamais viram nesta vida. Deparando-me frente aos dois luxuosos tronos naquela caverna de ouro, juro que a sensação foi a de haver chegado ao lendário Monte Olimpo. Apesar disso, levantando lentamente o meu olhar em direção àqueles nobres rostos, não pude ver nem um pingo de julgamento em seus olhos, nem tampouco uma gota de desdém. De fato, suas feições eram de incondicionais boas-vindas e incomparável ternura.
   No que tange aos próprios soberanos do reino em si mesmos, o Rei Caliphim, embora não fosse um homem muito robusto, possuía um ar de inerente força e autoconfiança pairando sobre sua pessoa. Ele tinha o semblante de um sábio e os olhos de um nobre benfeitor. Quanto à Rainha Allária, sua formosa esposa, minha primeira impressão foi a de que seus cabelos apresentavam a cor negra da noite e sua tez a cor pálida da alvorada. Ela sorriu graciosamente para mim e pude notar um quê de melancolia em sua face. Pois apesar de toda a glória do palácio que os cercavam, os

Registrado
Setembro 20, 2010, 10:27:42
djsouza
ADM
Adventureiro
*****
Mensagens: 52



« Responder #1 : Setembro 20, 2010, 10:27:42 »

PÁGINA 16
salões pareciam constituir um fardo sobre o casal graças ao grande vazio que se alastrava em seus interiores.  Eles são, afinal de contas, os últimos representantes vivos da família real e, apesar de estarem encostando na meia-idade, ainda não foram agraciados com a benção de um herdeiro.
   Tanto o rei quanto a rainha ouviram com interesse a retumbante epopéia de meu naufrágio. O Rei Caliphim fez perspicazes indagações quanto a minha terra natal e aos locais pelos quais já viajei. Ele aparentava ter algum conhecimento de outras terras – talvez da mesma fonte que pela primeira vez trouxera o nome da Terra das Ilhas Verdes até Daventry. Certamente ele demonstrava estar muito curioso e, como o grande pensador que era, parecia intrigado com qualquer novo ideário que eu pudesse vir a oferecer. Infelizmente para ele, quaisquer idéias que eu tivesse no que concerne a assuntos como reinos e civilizações eram

PÁGINA 17
demasiado simplórias. Mas eu percebi que, apesar do seu interesse, aprazia-lhe a noção de que todos esses outros reinos remotos permanecessem o mais longe possível da convivência com o seu. Sem a avidez pela conquista ou a ânsia pela mudança, seu reino iria continuar isolado. Efetivamente, com exceção da ausência de um herdeiro, tudo indicava que a benevolência do rei e da rainha suprira plenamente o reinado em relação a todas as carências que por ventura haveriam de existir.
   Após ter conhecido a realeza e me recuperado suficientemente da minha provação em alto-mar, comecei a me sentir deveras curioso quanto às outras ilhas do reino, de maneira que depositei este meu velho corpo alquebrado de pés comichentos aos cuidados do garrido barqueiro.

PÁGINA 18
   PARTE III A Ilha da Surpresa
   Imagine um lugar onde o próprio chão sob seus pés reclama do seu peso e as árvores propositadamente lançam galhos em sua cabeça por simples diversão, e você terá uma idéia do que é estar na Ilha da Surpresa.
   A Ilha da Surpresa é uma porção de terra em formato de vírgula que poderia muito bem representar um ponto de interrogação, pois a confusão e o assombro por certo hão de imperar nas mentes dos visitantes ingênuos.
   A vida cresce em abundância no local. A flora é opulenta assim como o são os habitantes da ilhota. Para dizer a verdade, ambos freqüentemente confundem-se em um só ser. É difícil alguém simplesmente catar um grão de areia às margens da praia sem que a mesma exija imediatamente que ele seja colocado de volta com um incisivo retruque de indignação: “Ora, onde é já que se viu”!
   O histórico desta ilha de natureza incomum é um assunto que gera ferventes especulações. Muitos acreditam que outrora ela não passava de uma desinteressante ilha deserta até que um mago lançou um feitiço sobre o lugar, trazendo tudo à vida, como forma de presentear a sua filha por seu aniversário. Outros dizem que a ilha já serviu de prisão a uma belíssima princesa, mantida em clausura por uma poderosa e invejosa rainha. A bela dama era de uma integridade tal que as próprias árvores e

PÁGINA 19
rochas não suportaram ouvir suas lamúrias de tristeza, de forma que vieram à vida para servirem de companhia à donzela. Ainda há uma terceira vertente que clama de pés juntos que o Criador do Universo meramente se cansou da rotina séria e austera que era a criação da vida e decidiu mandar todo o bom senso às favas e satisfazer o senso de humor Dele ou Dela.
   Seja qual for sua origem, ainda está para ser imaginado um lugar mais prazeroso do que esse. Mas fiquem de sobreaviso! Aqueles viajantes que gostam de saber de antemão exatamente tudo o

PÁGINA 20
que se pode esperar da vida nativa estará melhor servido se for a outra localidade qualquer. Apesar da maioria dos habitantes da ilhota serem amigáveis, alguns dos nativos mais “espinhosos” são capazes de extrema rudeza, e, no final das contas, são todos inegavelmente imprevisíveis.
   Os visitantes são freqüentes na Ilha da Surpresa, visto que ela constitui um revigorante centro turístico para se fugir do tédio do dia-a-dia. Até mesmo o rei e a rainha apreciam um bom piquenique no Ponto da Exclamação ou um passeio nos jardins, e não é raro encontrá-los por lá a relaxar e passar o tempo com os moradores da ilha.
   As governantes da Ilha da Surpresa são um par de rainhas, rivais em todos os sentidos, e habitualmente vistas em árduas discussões a respeito de tudo, desde qual a cor do céu até a consistência certa do purê de batatas. Apesar de suas excentricidades, a Ilha da Surpresa parece coexistir harmoniosamente como um profícuo integrante do reinado, fornecendo inúmeros e valiosos produtos para exportação e emprestando ao reino um tom de despreocupação e divertimento para contrabalancear com a austereza de seus compatriotas da Ilha da Montanha Sagrada.

PÁGINA 21

   PARTE IV A ILHA DA MONTANHA SAGRADA

   À primeira vista, a Ilha da Montanha Sagrada aparenta não passar de um grande amontoado de penhascos que se elevam aos céus em alturas de aspecto intransponível. Contudo, o visitante em pouco tempo é recebido por um singelo “comitê de boas-vindas” composto por um par de representantes da ilustre raça dos Senhores do Vento.
   Os Senhores do Vento, também conhecidos simplesmente como os Alados, são os habitantes da Ilha da Montanha Sagrada. Medindo cerca de dois metros de altura, eles são, sem sombra de dúvida, as mais impressionantes criaturas que eu já encontrei. Cada um dos membros de sua espécie, tanto os machos quanto as fêmeas, são infinitamente belos. Seus corpos são musculosos, atléticos e radiantes de saúde. De suas amplas costas protubera-se um vigoroso par de asas que fazem as vezes de membros auxiliares, fortes e finamente entrelaçados, com uma vasta plumagem branca a cobrir toda sua superfície. E quando eles abriam aquelas amplas asas...ah!... era como se o próprio sol tivesse sido eclipsado.
   Duas dessas criaturas, os anfitriões, saúdam os visitantes junto à base da montanha, local onde eu também fora recepcionado. Gentilmente, eles me tomaram pelos braços e em seguida alçaram vôo comigo em suas possantes mãos. Será que existe algum homem neste mundo que nunca sonhou em voar ao menos uma vez na vida? Será que não sentimo-nos todos tal qual Ícaro no âmago de nossos corações? Pois então tentem imaginar a empolgação que senti com esse vôo

PÁGINA 22
e toda a glória emanada por aqueles magníficos seres que dominam os próprios ares ao nosso redor!
   Todavia, como bem já dizia o velho ditado: “Quem vê cara não vê coração”. Eu voei até a cidade dos Senhores do Vento, um estranho e pungente local cujas obras arquitetônicas combinam o principal elemento de sua cultura, o vôo, com um toque de influência da arquitetura clássica. A cidade dá a impressão de ter sido construída justamente para isolar do convívio as pobres criaturas cuja sina eterna é se rastejarem pelo solo como insetos, visto que cada um dos edifícios ergue-se até os céus sem qualquer conexão um com ou outro ou mesmo com o próprio chão, de tal modo que o único acesso que resta é pelo ar.
   Completamente dependente dos anfitriões para se deslocar pela cidade ou até mesmo para deixá-la, o visitante se vê humilhado e adverso a qualquer tipo de exploração mais pormenorizada das redondezas. E parecia que essa era precisamente a intenção almejada, posto que a cultura dos Senhores do Vento valoriza a

PÁGINA 23

privacidade acima de tudo. Na Ilha da Surpresa eu sempre me senti bem-vindo, apesar da natureza muitas vezes brusca dos seus habitantes. Carregavam um certo ar de simplicidade, um grau de honestidade inerente a eles. Em contraste, muito embora minha recepção pelos Senhores do Vento tivesse sido à primeira consideração excessivamente cortês, o tom de formalidade com que foram emitidas as palavras de boas-vindas as fizeram soar insinceras. Pude notar nos olhos daquela belíssima raça um tom de desprezo pelos seres humanos comuns, um elevado grau de soberba que subitamente os fez perder aquela aura de perfeição divina aos olhos deste humilde observador.
   Apesar desse senso inato de superioridade, os Senhores do Vento são valiosos membros do reino e o fortalecem com muitas de suas importantes habilidades. Incrivelmente inteligentes, os Senhores do Vento são mestres da lógica e da matemática, minuciosos arquitetos e projetistas. Eles abominam a mágica e

PÁGINA 24
as belas artes em geral, devido ao fato de que são lógicos demais para atividades que consideram mundanas e superficiais. Inclusive o palácio da cidade tem uma organização tão dispersa, um aspecto tão funcional que sinaliza o seu total desprezo pelas ornamentações artísticas.
   A cultura dos Senhores do Vento é demasiado antiga, e eles se referenciam freqüentemente aos “Ancestrais”, seus antepassados, cujas ruínas e grandes obras ainda repletam a ilhota. A Ilha da Montanha Sagrada é governada por um lorde e por uma dama, que vivem como verdadeiros monarcas de sua própria ilha porém juram fidelidade à Coroa em comum.
   O nome da ilhota deriva de um pico solitário que se ascende até as nuvens além da cidade. Lá, em uma caverna, reside o Oráculo sagrado, a

PÁGINA 25
líder filosófica da comunidade. Dizem que o Oráculo tem séculos de existência, extrema sabedoria, e que pode prever o futuro. Ela é consultada pelo lorde e pela dama sobre cada uma das facetas da vida na cidade, e até mesmo o rei e a rainha se valem de seus conselhos. Eu, obviamente, não fui galardoado com a benesse de conhecer o Oráculo, e até mesmo a maior parte dos cidadãos alados a tem como uma entidade quase mítica. A maior honraria que qualquer membro da raça dos Senhores do Vento pode ansiar em sua existência é ter-lhe concedido o privilégio de uma audiência com o Oráculo, pois sua cova é uma área reservada apenas para as mais dignas almas. E, como muitas de nossas mais veementes ambições na vida, a preponderância dos Senhores do Vento nunca atinge tal meta.
   No final das contas, confesso ter me sentido fascinado pelos Ancestrais, uma vez que foram de fato a única referência histórica ricamente extensa que consegui obter em todo o reinado. Do pouco que eu pude desprender dos circunspectos Senhores do Vento em si, e adicionando-se as informações mais prontamente disponíveis encontradas nos manuscritos e junto aos eruditos na Ilha da Coroa, fui capaz de montar o seguinte panorama desta raça antiga, o qual resolvi incluir juntamente a estes registros do reino, eis que eles exercem uma forte influência em toda a Terra, uma marcante presença comparável inclusive aos seus habitantes atuais de carne e osso.

PÁGINA 26
PARTE V Os Ancestrais

   A cultura dos Ancestrais tem permeado a Ilha da Montanha Sagrada por um período que talvez remeta até mil anos atrás. Naquela época, provavelmente não havia um “reino” propriamente dito e os Ancestrais povoavam indisputavelmente toda a Terra, uma vez que não existem nas demais ilhas quaisquer registros similarmente tão antigos quanto estes.
   Os Ancestrais possuem uma cultura altamente avançada e radicalmente misteriosa. Seus registros foram descobertos em tabuletas e pergaminhos antigos enterrados sob a atual cidade dos Senhores dos Ventos, e também nas catacumbas da Ilha da Montanha Sagrada. Costuma-se dizer que eles eram dotados de uma incrível habilidade mecânica e um alto grau de saber que ultrapassavam qualquer conhecimento que tenhamos atingido nos dias de hoje. Essa crença baseia-se em alguns artefatos que restaram como as suas enigmáticas e labirínticas catacumbas bem como as escritas esculpidas nas encostas dos desfiladeiros da ilhota. Os artefatos dos Ancestrais são ferozmente vigiados pelos Guardas Alados e constituem objetos de amplo estudo pelos especialistas locais, que dedicam todas suas vidas a tentar destrinchar os seus segredos. Tudo o quanto é sabido sobre eles deriva desses delicados e intensamente estimados registros escritos.
   Os Ancestrais acreditavam piamente no poder da linguagem e gostavam de enfatizar o seguinte refrão: “Bem-aventurados aqueles que dominam

PÁGINA 27
a linguagem, pois esses hão de ascender às alturas”. Presume-se que a dita ascensão às alturas se refere em verdade a uma elevação de caráter intelectual e não propriamente física, mas quem pode afirmar isso com certeza? Também se sabe que eles eram fervorosamente apaixonados por símbolos e possuíam uma complexa teologia que indicava ampla devoção a tudo o que fosse relacionado ao ar, muito embora apenas alguns fragmentos de sua dogmática são compreendidos nos dias de hoje. Os Ancestrais dotaram de significado cada criatura, cada cor, cada elemento e mineral. Ademais, eles eram grandes estudiosos dos estados emocionais do ser. Toda emoção, tal como toda criatura, cor ou elemento, possuía alto nível de graduação em sua escala teológica – onde os entes mais baixos eram considerados como sendo do gênero “básico” ou “primitivo”, e os mais altos eram do tipo “puro.” No topo dessa escala estariam os Quatro Entes Sagrados: a emoção “tranqüilidade,” a cor “azul-celeste,” a criatura “lagarta,” e o elemento “ar.” A cor azul-celeste e o elemento ar são alusões óbvias ao céu. Similarmente, a tranqüilidade também parece remeter ao firmamento sobre nossas cabeças. A lagarta seria a única surpresa do grupo. A sua justificativa, porém, faz perfeito sentido. Afinal de contas, pássaros existem nos céus em abundância, mas que glória há em voar quando já se nasce com asas? Não seria mais glorioso ainda nascer rastejando-se no chão e criar suas próprias asas com o tempo?

PÁGINA 28

   Muito se discute a respeito da possibilidade dos Ancestrais possuírem ou não a capacidade de voar. Apesar de sua teologia, os corpos dos Ancestrais não apresentam as asas que distinguem os atuais habitantes da Ilha da Montanha Sagrada. Os Senhores do Vento crêem veemente que os Ancestrais voavam sem asas, o que, por conseguinte, prova que eles eram seres superiores até mesmo aos próprios Alados. Alguns estudiosos da Ilha da Coroa, porém, acreditam que os Ancestrais não podiam voar, e que o seu obsessivo interesse no vôo aliado ao seu conhecimento secreto os tornaram aptos a criar uma raça de seres alados, dos quais descenderiam os Senhores do Vento. Ah, mas tais coisas nós jamais saberemos ao certo, eis que a verdade plena dos fatos foi enterrada junto com o último espécime daquela raça há muito tempo extinta.
   Eu passei algum tempo a estudar o idioma e a cultura dos Ancestrais e, no interesse de preservar sua história, coloquei juntamente a estes registros tudo o quanto é compreendido de sua obra.

PÁGINA 29
   O Alfabeto dos Ancestrais
   O alfabeto dos Ancestrais consiste de símbolos gráficos. Torna-se evidente que tanto o seu idioma quanto o nosso possuem a mesma origem, visto que suas escritas podem ser diretamente traduzidas a partir da nossa se simplesmente substituirmos a letra apropriada do nosso próprio alfabeto pelo seu símbolo correspondente no alfabeto deles. É provável que os Ancestrais falavam em nossa linguagem e usavam esses símbolos como um código para preservar o sigilo de sua cerimoniosa majestade. Ou, quem sabe, nossas próprias “letras” usadas na língua falada eram utilizadas como abreviaturas para os complexos símbolos usados pelos Ancestrais. Seja qual for o caso, seu alfabeto é constituído por vinte e seis símbolos primários. Existem outros símbolos de caráter secundário, mas eram utilizados apenas para acentuação ou como forma de representar complexos ideais filosóficos e por essas razões não os incluo aqui.
   Afora suas funções alfabéticas, cada símbolo representa ainda uma emoção, uma cor, uma criatura e um elemento natural ou metafísico.

PÁGINA 30

A Este símbolo representa harmonia, o gato, a cor terra-de-siena, e a terra.

B Este símbolo representa tristeza, o albatroz, a cor de carvão queimado, e o ônix.

C Este símbolo representa esperança, o pombo, a cor cinza-perolada, e o opala.

D Este símbolo representa tranqüilidade, o camundongo, a cor do azeviche, e o granito.

E Este símbolo representa ironia, a baleia, a cor ocra, e o papel.

F Este símbolo representa humildade, o gafanhoto, a cor de oliva, e as plantas.

G Este símbolo representa pureza, o unicórnio, a cor branca, e o ar.

H Este símbolo representa raiva, o tubarão, a cor vermelha, e o fogo.

I Este símbolo representa covardia, a ovelha, a cor laranja, e o carvão.

J Este símbolo representa honestidade, o papagaio, a cor verde, e a esmeralda.

K Este símbolo representa sabedoria, a coruja, a cor marrom, e a madeira.

L Este símbolo representa solidão, o grilo, a cor bege, e o barro.

M Este símbolo representa romance, o cisne, a cor amarelo-ouro e o elemento ouro.

Registrado
Setembro 20, 2010, 10:28:14
djsouza
ADM
Adventureiro
*****
Mensagens: 52



« Responder #2 : Setembro 20, 2010, 10:28:14 »

PÁGINA 31

N Este símbolo representa ódio, o caranguejo, a cor preta, e o ébano.

O Este símbolo representa alegria, o golfinho, a cor azul-celeste, e a safira.

P Este símbolo representa medo, o coelho, a cor violeta e o rubi.

Q Este símbolo representa fé, a lagarta, a cor azul-turquesa, e a pedra turquesa.

R Este símbolo representa sofrimento, o chacal, a cor prata, e o elemento prata.

S Este símbolo representa felicidade, o cão, a cor rosa, e o mármore.

T Este símbolo representa perseverança, a tartaruga, a cor verde-mar, e a água.

U Este símbolo representa intuição, a serpente, a cor azul-claro, e a chuva.

V Este símbolo representa insensatez, o macaco, a cor amarela, e o marfim.

W Este símbolo representa amor familiar, o cavalo, a cor castanho-claro, e o couro.

X Este símbolo representa bravura, o leão, a cor roxa, e o diamante.

Y Este símbolo representa paciência, a vaca, a cor âmbar-amarelo, e a pérola.

Z Este símbolo representa desejo, o javali, a cor vinho, e o mineral granada.

PÁGINA 32

   Os Penhascos da Lógica
   Dentre os mais fascinantes artefatos deixados pelos Ancestrais estão os penhascos da lógica.  Os penhascos têm esse nome por causa de uma série de charadas escritas na encosta dos desfiladeiros desde a sua base na praia da Ilha da Montanha Sagrada até a cidade dos Senhores do Vento. Esculpidas cuidadosamente em rocha sólida, fica ao encargo do observador questionar-se qual seria o propósito ao qual as palavras servem. A partir do pergaminho antigo que faz referência aos penhascos, pode-se determinar que os enigmas no desfiladeiro eram parte de um elaborado mecanismo desenhado para proteger aqueles que residiam no topo do penhasco contra os seres indesejáveis que porventura chegassem via mar. O mecanismo pode ter servido como uma espécie de sistema de alarme projetado para alertar aqueles no topo do desfiladeiro que um de seus irmãos solicitava entrada, ou quiçá levasse a câmaras secretas no interior da própria rocha. Seja qual fosse o propósito dos penhascos, eles obviamente foram criados para dar acesso somente àqueles versados nos segredos da cultura dos Ancestrais e por essa razão eles permanecem, infelizmente, irresolutos até os dias de hoje.
   As traduções dos trechos a seguir foram extraídas do pergaminho dos penhascos da lógica e poderão ajudar o leitor a compreender toda a mística que cerca esse artefato.

PÁGINA 33
   O primeiro desafio está ligado ao seguinte verso:  “Somente aqueles puros de coração serão capazes de subir ao CUME dos penhascos da lógica.”
   O terceiro desafio: “As Pedras da Furtividade,” está associado a esta charada:
   
   Quatro homens estão em fila a caminhar,
   O Terceiro certamente há de despencar,
   O resto, em ordem, é preciso movimentar,
   O Último, o Primeiro, e o Segundo Lugar.
   
   O quinto desafio: “Somente aqueles da mais alta ordem poderão vencer a ALTURA dos penhascos da lógica.”
PÁGINA 34
   As Catacumbas
   As catacumbas, outro remanescente da cultura dos Ancestrais, são tragicamente inacessíveis aos visitantes de hoje. As catacumbas abrigavam as câmaras mortuárias dos Ancestrais, e dizem que foram desenhadas como um gigantesco labirinto. Para proteger suas tumbas dos saqueadores, os Ancestrais instalaram armadilhas letais dentro das catacumbas e as encheram com becos sem saída, corredores identicamente confusos, e salas onde conhecimentos secretos são necessários para progredir adiante.
   Os Senhores do Vento chegaram perto de dominar os segredos das catacumbas alguns anos atrás, quando um minotauro, afeiçoando-se imediatamente à escuridão do funesto ambiente, decidiu fazer dele sua morada. Num primeiro momento, o reino tentou reaver o artefato de sua custódia, porém, em meio aos perigos das catacumbas e à figura traiçoeira do minotauro, as perdas tornaram-se demasiado grandes para dar continuidade à luta, e o minotauro sagrou-se vencedor

PÁGINA 35
dessa contenda. Desde então, as catacumbas permaneceram interditadas. Uma das maiores tristezas do reino é que, a cada ano, o minotauro escolhe alguém que deverá lhe ser entregue, como forma de um sacrifício vivo, a fim de que ele não emerja das catacumbas para atacar a cidade.
   As catacumbas ilustram bem o obsessivo interesse dos Ancestrais pela morte. De fato, isso parece ser inerente a esta parte do mundo, posto que os atuais habitantes das Ilhas Verdes também possuem elaboradíssimos rituais de morte, como eu demonstrarei mais adiante. As catacumbas eram obviamente um lugar de alta reverência para os Ancestrais, como mostra uma mensagem esculpida em uma antiga tabuleta que outrora adornava os seus portões de entrada:

   Três rosas dispostas ao longo do chão,
   Uma foice para aqueles que as cortarão,
   Uma coroa, um pombo, ó raça celestial!
   Teus ossos santificam este funesto local.

PÁGINA 36
   PARTE VI A Ilha da Fera
   A Ilha da Fera, tempos atrás, era chamada de Ilha da Floresta. Era um local de incontáveis bosques verdejantes, lagoas majestosas, e fauna abundante. Costumava ser utilizada como ponto de recreação preferido para vigorosas caçadas protagonizadas pela família real e pelos esportistas da região, e por essa mesma razão a ilha foi deixada inabitada. Cenas recordativas desse tão prezado passatempo vivido naquele belíssimo cenário ainda podem ser contempladas em inúmeras tapeçarias e pinturas locais.
   Conta a história que, uma noite, os residentes de outras ilhas podiam ver luzes mágicas ao redor da Ilha da Floresta. No dia seguinte o rei, naquela época o Rei Aliphim, conduziu seus guardas até a ilha para investigar (e, obviamente, para caçar também, caso sua intuição se confirmasse). O que eles encontraram foi uma ilha inteiramente mudada. A floresta tinha crescido de forma tão densa da noite para o dia que constatou-se ser praticamente impenetrável, não fosse uma singela trilha bloqueada por obstáculos misteriosos. E, ainda mais misterioso, podiam se ouvir gritos de gelar a alma provenientes de alguma fera selvagem, brados que ecoavam sem cessar

PÁGINA 37

por toda a floresta. Comenta-se que diversos guardas enlouqueceram imediatamente ao ouvir tais sons e que o próprio Rei Aliphim passou o resto de seus dias assombrado pelo ecoar dos gritos.
   Desde aquele tempo, a ilhota adotou o seu novo nome e tem permanecido impenetrada, e imperturbada, em meio às demais ilhas radiantes do reino.

PÁGINA 38

PARTE VII Lendas e Mitos da Terra das Ilhas Verdes

   Ao longo de incontáveis noites passadas por mim em frente à lareira com meus companheiros da Ilha da Coroa, aprendi que os habitantes nativos são famosos contadores de histórias. A meu ver, não há nada que fale mais a respeito de um povo do que os contos que eles proclamam, eis que eles são tecidos com uma intrincada malha de sentimentos que envolvem os medos, as esperanças, e os sonhos de uma cultura inteira. Para a sua inspiração e entretenimento, eu exponho a seguir algumas das mais interessantes lendas e mitos da região.
   Ilhas Perdidas e Outros Mundos
   Toda terra que se preze tem sua parcela de contos a respeito de lugares escondidos: cavernas perdidas, salas de tesouro subterrâneas, e reinos secretos acessíveis apenas através de uma frondosa árvore de carvalho. A Terra das Ilhas Verdes não é exceção. Aqui, como se pode imaginar, os locais ocultos tomam a forma de ilhas perdidas em meio à névoa e tudo aquilo o que pode por ventura existir nos confins do oceano.
   Uma narrativa popular parece refletir os correntes mitos universais em torno do plantio e da colheita. Conta-se a estória de que existe nas proximidades uma ilha habitada por sacerdotes que veneram a Mãe Terra. Esses clérigos seriam responsáveis por manter o clima e as marés em perfeito balanço para garantir a segurança contra furações e outras forças do mar, bem como para assegurar a contínua prosperidade

PÁGINA 39
   do reino. Diz-se que esses padres demandam a privacidade acima de tudo e que eles permanecem leais à Coroa em troca da manutenção de seu segredo. Ah, que estória formidavelmente conspiratória!
   Os nativos das Ilhas Verdes também gostam de dizer que as correntes intrasponíveis nos mares ao redor do reino estão lá como um aviso – coibir as embarcações de navegarem adiante em direção ao leste, pois se acredita que, por volta de um dia de viagem marítima nessa direção, qualquer navio forte o suficiente e temerário o bastante para sobreviver às tempestades irá se deparar com o fim do mundo!
   “O que jaz além do fim do mundo,” perguntei. “Ora, o próximo mundo,” responderam-me em uníssono, e rapidamente mudaram de assunto.

PÁGINA 40

   Rituais Fúnebres
   A morte sempre fascinou a humanidade ao redor da terra, e existem inúmeras filosofias sobre o que haveria depois desta vida, visto que ela, até onde sabemos, é finita. Constatei que os habitantes das Ilhas Verdes compartilham entre si uma intensa fé em comum, uma crença tão arraigada que parece desafiar quaisquer questionamentos.
   Os familiares do falecido realizam a cerimônia do funeral alguns dias após a sua morte a fim de permitir à alma do seu ente amado uma passagem segura até o Reino dos Mortos. O finado é então enterrado com as coisas que ele ou ela poderão precisar durante essa longa jornada. O Reino dos Mortos é um lugar que não é deste mundo. Lá impera a Morte em pessoa. Alguns a chamam de O Senhor dos Mortos, outros, de Samhain. Àquela almas que morreram em paz consigo mesmas é assegurada a entrada no Submundo e a sua instalação no Mar das Almas. Naquele repositório seguro, elas serão contempladas com a sabedoria suprema e preparadas para o próximo estágio da existência. Todavia, aquelas almas que morreram com traumas pendentes em suas vidas humanas não poderão adentrar o Submundo, mas sim permanecerão amaldiçoadas a vagar eternamente na superfície do Reino, como que acorrentadas às suas angústias humanas. Algumas vezes,

PÁGINA 41
   os seus problemas de vida acabam por se resolver no mundo real sem a intervenção deles – quando a justiça é feita, ou seus amados encontram a felicidade – e então eles são libertados das amarras que os prendiam e viajam, agradecidos, ao mundo inferior. Mais freqüentemente, porém, as coisas nunca são realmente resolvidas no mundo real e as almas presas, com o tempo, tornam-se parte do exército de mortos descerebrados que marcham eternamente sobre a superfície, nunca a ponto de encontrarem a paz de espírito ou de terem a permissão de seguir em frente.
   Esse sistema de crença afeta profundamente as vidas dos habitantes das Ilhas Verdes, e constitui, segundo minha estimativa, o cerne de suas vidas pacíficas e de sua aversão aos atritos e às contendas, à ganância e à ansiedade. Inevitavelmente, à medida que um homem ou uma mulher aproximam-se da velhice ou da enfermidade, ele ou ela esforçam-se para resolver quaisquer pontas soltas em suas vidas que tenham deixado, em preparação para a jornada que os espera.
   
PÁGINA 42
   Gênios
   Em Daventry, a idéia que a classe menos favorecida tinha de um grande conto invariavelmente envolvia um singelo comerciante ou um pobre fazendeiro dando de cara com uma fada-madrinha e, por conseguinte, ganhando uma fortuna de uma hora para a outra. Quantos sonhadores incorrigíveis provavelmente teriam virado incontáveis noites à procura desse tipo de prosperidade instantânea ao invés de colocarem os pés no chão e tomarem o caminho mais longo para atingir esse mesmo fim, o caminho do trabalho árduo e honesto? Hah! Esse é o tipo de conto que este viajante que humildemente vos fala já ouviu por vezes até demais!
   Não se pode dizer que aqui na Terra das Ilhas Verdes existam menos sonhadores do que lá, porém eles não falam de fadas, mas sim de gênios, gênios da lâmpada. Um gênio é uma tentação ainda maior para as almas ambiciosas do que uma fada-madrinha de Daventry, visto que um gênio não atende a simplesmente um pequeno favor, ainda que grandioso, e depois desaparece para sempre. Não, um gênio, tal qual um cão fiel, pertence ao seu dono por toda a sua vida – ou, melhor dizendo, por todo o período de tempo que o afortunado “amo” conseguir manter sua posse sobre a lâmpada da criatura.
   Ao que parece, todo e qualquer nativo das Ilhas Verdes conhece de cor e salteado todos os prós e os contras dos gênios, muito embora pouquíssimos tenham visto um pela frente. De acordo com as conhecidas “regras”, todo gênio é imortal e cada um deles é permanentemente atrelado a uma dada lâmpada na qual ele pode ou não estar aprisionado por séculos a fio, dependendo tão somente dos

PÁGINA 43
   caprichos do seu mestre ou das intempéries do destino. Uma vez que a lâmpada caia nas mãos de um homem ou de uma mulher, aquela pessoa tornar-se-á mestre do seu respectivo gênio e todos os seus desejos serão para ele como uma ordem. Gênios são seres extremamente valiosos e são capazes de fazer uma variedade de truques, incluindo transportar um homem para qualquer lugar na superfície da terra, tomar qualquer forma que o seu amo puder desejar, e, é claro, o artifício mais popular e que nunca sairá de moda, obter uma enormidade de tesouros e riquezas. Contudo, um gênio apresenta, sim, algumas limitações: não consegue curar doenças, alterar o clima, ou trazer os mortos de volta à vida. E cada gênio sempre tem um ponto fraco particular que o distingue dos outros.
   Um gênio também se vincula ao seu mestre de outras maneiras. Diz a sabedoria popular que um gênio é como um espelho; ele só faz refletir a vontade do seu amo. Dessa forma, se o seu mestre for diabólico e cruel, o gênio também o será. Se, por outro lado, o seu mestre for generoso e benévolo, por conseqüência assim será o gênio.
   Uma das estórias de gênios mais populares que se tem notícia é o seguinte caso de um gênio conhecido como Mali Mellin.

PÁGINA 44

   A estória de Mali Mellin
   Mali Mellin era um gênio com uma curiosa queda por degustar mamonas (muito embora elas fossem altamente venenosas para seres humanos normais). Ele passou alguns milhares de anos aprisionado em uma lâmpada surrada após ter sido enterrado com o seu possessivo amo. Um dia, um pobre fazendeiro desencavou a lâmpada enquanto lavrava o campo. Ignorante como ele era, o fazendeiro tomou a lâmpada e em seguida a deu de presente para sua esposa, e ela, dotada da mesma inteligência rara que a dele,  limpou rudemente o exterior da lâmpada sem sequer remover a tampa. O casal levou a lâmpada para vendê-la no mercado por alguns míseros centavos.
   A lâmpada acabou por ser vendida a um negociante de antiguidades que, sendo igualmente preguiçoso, nunca se deu ao trabalho de abrir a coisa. (O conto continua essa cadeia da mesma forma, passando a lâmpada de mãos em mãos por uma dúzia de gente, para o hilário deleite dos ouvintes nativos, que pelo visto acham que esta é a maior piada que já escutaram na vida. Mas, prosseguindo...)
   Finalmente a lâmpada foi comprada por uma pobre donzela chamada Daltina, que desejava apenas trazer um pouco de luz e calor para sua mãe doente. Daltina levou a lâmpada para casa e finalmente a abriu para

PÁGINA 45
   enchê-la de óleo e colocar um pavio em seu interior. Mas ao invés de poeira, uma nuvem de fumaça se ergueu a partir da abertura da lâmpada e Mali Mellin apareceu. A garota foi tomada pelo medo, mas Mali Mellin enfim conseguiu convencer a pobrezinha de que ela não corria perigo, muito pelo contrário, agora ela poderia ter qualquer coisa que desejasse.
   Nos próximos meses, Daltina e sua mãe deixaram de subsistir à margem da sociedade para se tornarem mulheres ricas e bem de vida. Seu humilde lar passou a ser uma fina mansão e seu jardim floresceu imensamente. A moça, com o rubor da prosperidade em sua tez, ficou cada vez mais linda com o passar dos dias. Como não podia deixar de ser, Mali Mellin foi muito bem guarnecido com todas as mamonas que ele pudesse comer. Mas em uma coisa Daltina sempre seguiu o conselho de sua mãe: “Nunca conte a ninguém sobre a lâmpada” - ela avisou - “pois não passamos de apenas duas mulheres sozinhas neste mundo e não seríamos páreo contra aqueles que desejassem roubar nosso tesouro.”
   Muitos anos se passaram dessa forma, e Daltina estava feliz. Toda noite Mali Mellin a perguntava: “O que mais você deseja?” e Daltina respondia: “Nada. Já tenho tudo o que poderia desejar.”
Registrado
Setembro 20, 2010, 10:28:38
djsouza
ADM
Adventureiro
*****
Mensagens: 52



« Responder #3 : Setembro 20, 2010, 10:28:38 »

PÁGINA 46
Eis que um dia uma procissão atravessou o vilarejo. Conduzindo-a logo à frente estava um príncipe, o homem mais elegante que a garota tinha visto em toda a sua vida.
   Naquela noite, Mali Mellin perguntou novamente: “O que mais você deseja?” A moça se calou por um breve instante, pensando com os seus botões: “Quem sou eu para desejar tal coisa?” e “Ele deveria se casar com uma princesa.” Mas o seu coração, que outrora nunca havia se apaixonado, clamava fulgurosamente para que ela desse ouvidos ao seu próprio juízo. E então ela sussurrou: “Eu desejo o príncipe.”
   No dia seguinte o príncipe cavalgou de volta ao vilarejo com olhos arregalados. Ele havia visto a garota em um sonho e estava perdidamente apaixonado. Poucas semanas depois, os dois se uniram em matrimônio.
   Todavia o tal príncipe não era tão bom quanto aparentava. Ele queria sempre mais: mais riquezas, mais terras, mais tudo. Quando ele sonhava com tais coisas, a moça sentia pena em seu coração e se dirigia em segredo até o local onde guardava a lâmpada para ordenar Marli Mellin que atendesse aos desejos de seu amor.
   Inicialmente, o príncipe ficava maravilhado com a força do poder e a intuição de sua esposa. Após um tempo, contudo, o príncipe começou a suspeitar das aparentes habilidades mágicas de sua mulher. Uma noite, ele lamentou continuamente

PÁGINA 47
por não possuir uma certa espada de ouro que vira exposta em um castelo nas proximidades. Ele fingiu adormecer com o intuito de ouvir Daltina sair sorrateiramente. Em silêncio, ele a seguiu por um corredor que levava até o quarto de sua mãe e lá ele a espionou enquanto ela chamava da lâmpada o gênio Mali Mellin e, ao oferecer-lhe uma vistosa mamona, desejou:
   “Mali Mellin,” – disse Daltina – “Existe uma espada de ouro a dez léguas daqui. Entregue-a de presente ao meu marido pela manhã, como forma de tributo ao príncipe.” Ao que o gênio respondeu: “Sim, Ama.”
   Na manhã seguinte, cedo chegou um emissário portando a espada em suas mãos, justamente como Mali Mellin havia prometido.
   “Que incrível,” – ponderou o príncipe – “ter uma mulher com um gênio tão poderoso!” Então ele pensou: “Mais incrível ainda seria se eu mesmo possuísse tal gênio!”
   Eis que, naquela mesma noite, o príncipe aguardou até que Daltina adormecesse, e então saiu às escondidas até os aposentos de sua sogra e removeu a lâmpada do baú da mesma forma que sua esposa havia feito. Tomado pela excitação, ele apressou-se em correr até o seu arsenal e logo em seguida abriu a tampa da lâmpada. Mali Mellin apareceu.

PÁGINA 48
   “Sim, Mestre,” – falou o gênio asperamente, com um leve sorriso malicioso no canto da boca. “Você é MEU gênio agora,” – disse o príncipe – “E deve obedecer apenas ao que eu ordeno.” “É claro, Amo,” – respondeu Mali Mellin – “Mas dá para comer uma mamoninha antes?”
   No outro dia, a garota acordou e logo descobriu que o príncipe havia se apossado de sua lâmpada. Apesar de ela implorar arduamente que lhe devolvesse o controle dessa criatura perigosa, o príncipe se recusou a entregar o gênio de volta.
   E, minha mãe do céu, pode-se dizer que o príncipe realmente botou para quebrar com essa lâmpada! Se antes a garota se permitia saciar seus desejos de forma conservadora e discreta, o príncipe, por outro lado, não conhecia qualquer limite que fosse. Ele mantinha Mali Mellin vinte e quatro horas por dia correndo para atender os seus caprichos até que os salões do castelo estivessem abarrotados de ouro e jóias. Seus inimigos eram desumanamente massacrados nos campos afora sem prévia provocação.

PÁGINA 49
A face maldosa de Mali Mellin agora havia se tornado o símbolo do inferno na terra, um demônio que roubava e flagelava a tudo e a todos sem distinção.
   A situação chegou a um ponto em que a garota já não podia agüentar mais. A chama do seu amor pelo príncipe havia sido apagada por uma corrente de lágrimas de desgosto. Certa noite, ela drogou o vinho do príncipe e, assim que ele caiu em sono profundo, tomou a lâmpada de suas mãos. Ela procedeu a evocar a presença do gênio uma vez mais e, com muito pesar, fez com que Mali Mellin levasse o príncipe para uma terra tão distante e deserta de maneira que ele não pudesse nunca mais incomodar ninguém. Com a partida do príncipe e a volta do bom temperamento de Mali Mellin, Daltina restaurou a paz ao reinado e assumiu a posição de rainha, governando de forma benigna (ainda que melancólica) por muitos e muitos anos desde então – sempre se assegurando de que o reino produzisse periodicamente uma safra abundante de mamonas.

PÁGINA 50

PARTE VIII Posfácio
   E assim concluem-se os meus registos sobre a Terra das Ilhas Verdes. Eu tenho sido muito bem-tratado e me tornei uma pessoa muito rica em amigos, em conhecimento, e em incontáveis outras bênçãos. Muito embora eu sentisse meu espírito por vezes desamparado frente a minha inaptidão em regressar à terra que eu nasci, devo admitir que meus pés sofreram muito menos de coceira aqui do que em qualquer outro lugar neste mundo. Apesar disso, não consigo evitar de, por vezes, sonhar acordado e deixar que meus pensamentos me levem de volta aos sempre verdejantes campos de Daventry. Quem sabe se pelo menos ao meu espírito for permitida a dádiva de perambular livremente, um dia ainda hei de rever minha terra natal novamente.
   A todos aqueles que por ventura venham a trilhar o mesmo caminho que o meu, digo-vos o seguinte: sede gentis com esta pacífica terra, abri o vosso coração frente aos seus caprichos, e a protegei, se vós pudésseis, contra quaisquer maus ventos que ameacem surgir para macular a alma deste local. Esta terra é diferente de qualquer lugar que eu já tenha visto, e ela conseguiu arrebatar o meu coração para todo o sempre.

Derek Karlavaegen

PÁGINA 52   

CRÉDITOS DE KING’S QUEST SEIS

Concepção e Roteiro por
Roberta Williams
Jane Jensen

Produtor
William D. Skirvin

Direção
Roberta Williams
William D. Skirvin
Jane Jensen
.
Design Artístico
William D. Skirvin

Compositor
Chris Braymen

Textos e Diálogos
Jane Jensen

Direção Artística
Michael Hutchison
John Shroades

Equipe Artística
Russell Truelove
Deanna Yhalkee

Programador-Chefe
Robert W. Lindsley

Equipe de Programação   
Randy MacNeill
Robert L. Mallory
Victor Sadauskas

Controle de Qualidade
Robin Bradley

=======================================

Agradecimentos
Autora do Guia
Jane Jensen

Ilustrações do Guia
John Shroades

Design do Guia
Mark Empey

Arte Adicional
Darlou Gams
Tim Loucks
Rick Morgan
Jennifer Shontz
Cindy Walker
Karin A. Young

Desenho de Abertura por
Kronos:
Stanley Liu
Albert Co

Fotografia
Rod Fung
Bob Ballew


Música e Efeitos Sonoros Adicionais
Dan Kehler
Mark Seibert
Rick Spurgeon
Nightingale Songs ©
1992 Todos os direitos reservados,
Livraria de Sons da Natureza, Laboratório Cornell de Ornitologia, Ithaca, Nova Iorque.

Programadores Adicionais
Doug Oldfield
Carlo Escobar

Controle de Qualidade Adicional
Mike Brosius
John Radclife   

Suporte Técnico
Rob Koeppel

Agradecimentos Especiais
Tammy Dargan
Rebecca Sebastian
Universidade Estadual de Fresno

PÁGINA 53

Versão Brasileira por
David Toledo

Tradução do Guia
Diego José Camboim deSouza


PÁGINA 54 CONTRACAPA
TM Designa uma marca comercial da Sierra On-Line, Inc.
® é uma marca registrada de, ou licenciada para, Sierra On-Line, Inc.
® 1992 Sierra On-Line, Inc. Todos os Direitos Reservados. Impresso nos E.U.A.
Sierra On-Line, Inc. Coarsegold, Califórnia 93614
003021000

SIERRA
Registrado
Março 25, 2011, 11:13:05
Marcio Magtheridon
Adventureiro
**
Mensagens: 61


Morte aos infiéis!


« Responder #4 : Março 25, 2011, 11:13:05 »

Estava dando uma lida nesse 'guia', muito legal! Não sou muito conhecedor dos jogos da Sierra, mas fiquei com vontade de conhecer, pelo menos esse jogo! 

Amigos, alguma previsão sobre o lançamento dessa tradução, pois ela tbm está a bastante tempo em andamento... Abraços!
Registrado
Julho 21, 2012, 10:46:16
RafaelGC
ADM
Sábio
*****
Mensagens: 607


'Morte gosta de gatos'


WWW
« Responder #5 : Julho 21, 2012, 10:46:16 »


A versão final desse guia foi concluída e lançada junto ao path de tradução do jogo, que pode ser baixado nesse tópico:

>> http://forum.scummbr.com/index.php?topic=392.msg681#msg681

O guia também pode ser visualizado através do link:

>> http://scummbr.tolledo.net/kq6/KQ6%20-%20Guia%20das%20Ilhas%20Verdes.pdf
Registrado
Páginas: [1]
  Imprimir  
 
Ir para:  

Powered by SMF 1.1.21 | SMF © 2006-2009, Simple Machines